FIQUE SÓCIO!

Notícias
COMPARTILHAR

Pela primeira vez em três anos, Copom reduz juros básicos da economia

Por Auris Sousa | 03 ago 2023

A pressão do movimento sindical começou a surtir nas decisões do BC (Banco Central). Prova disso que, pela primeira vez em três anos, o Copom (Comitê de Política Monetária) reduziu a taxa Selic, juros básicos da economia, em 0,5 ponto percentual, para 13,25% ao ano. A redução aconteceu por 5 votos a 4.

“A redução ainda não é a esperada, mas esta primeira é um sinal que logo teremos mais pela frente. Até lá, a pressão continua, isto porque entendemos que a redução da taxa Selic ajuda a estimular a economia, incentiva a produção e o consumo”, disse o presidente do Sindicato, Gilberto Almazan (Ratinho).

Histórico 

A última vez em que o BC tinha reduzido a Selic foi em agosto de 2020, quando a taxa caiu de 2,25% para 2% ao ano. Depois disso, o Copom elevou a Selic por 12 vezes consecutivas, num ciclo que começou em meio à alta dos preços de alimentos, de energia e de combustíveis, e, a partir de agosto do ano passado, manteve a taxa em 13,75% ao ano por sete vezes seguidas.

Além da pressão do movimento sindical, os indicadores econômicos mostram que é possível e necessário a queda dos juros. “O comitê avalia que a melhora do quadro inflacionário, refletindo em parte os impactos defasados da política monetária, aliada à queda das expectativas de inflação para prazos mais longos, após decisão recente do Conselho Monetário Nacional sobre a meta para a inflação, permitiram acumular a confiança necessária para iniciar um ciclo gradual de flexibilização monetária”, destacou o Copom, em nota.

Acertou o remédio, errou na dose!

Em nota oficial, a Força Sindical avaliou a medida como insuficiente e que vai continuar a lutar pela redução da taxa. “Juros exorbitantes inibem o consumo, a produção e, consequentemente, a geração de postos de trabalho”, destaca a nota, que enfatiza:  “juros nas alturas são uma forma de concentrar cada vez mais renda nas mãos de poucos”.

[Com informações da Agência Brasil] 

Leia também: 

Juros altos prejudicam trabalhadores

 

Jornal Visão Trabalhista EDIÇÃO #03