FIQUE SÓCIO!

Notícias
COMPARTILHAR

Especialista faz duras críticas a reforma da Previdência

Por Auris Sousa | 27 jul 2017

Aposentar-se com recebimento integral do benefício será um objetivo praticamente impossível caso a proposta de reforma da Previdência, em tramitação no Congresso, seja aprovada. Mas este é apenas um dos pontos que atacam os direitos dos trabalhadores. Foi o que observou o advogado especialista em Previdência, Antonio Rebouças, durante o encerramento do 38º Ciclo de Debates, que aconteceu na Subsede de Taboão da Serra.

“Querem colocar 65 anos de idade para o trabalhador se aposentar, mas tem um monte de gente no Brasil morrendo antes dos 60”, criticou Rebouças. A injustiça é ainda maior se o trabalhador cogitar a ideia de tentar receber o benefício integral. Isto porque, para alcançar os 100%, o brasileiro deverá contribuir por 49 anos. Enquanto isso, tem parlamentares já aposentados que ganham mais de R$ 33 mil por mês.

A proposta de reforma da Previdência traz um conjunto de medidas que, segundo o governo Temer, é indispensável para que o sistema previdenciário não entre em colapso. No entanto, Rebouças alerta: “Tudo que o governo tem falado é mentira. As reformas [trabalhista e da Previdência] só beneficiam as grandes empresas. Os trabalhadores e as pequenas empresas serão afetados”.

“É uma covardia, mexer com as grandes empresas e no bolso dos políticos o governo não quer. Agora nem o direito a aposentadoria o pobre trabalhador vai poder sonhar com estas mudanças. Por isso sempre participo dos eventos do Sindicato para saber das mudanças e de como podemos nos defender”, disse um companheiro da Spaal.

As críticas do especialista a reforma da Previdência não param por aí. Na opinião dele, mesmo que existisse o tal “rombo”, as medidas propostas não são adequadas.

Pressão popular – Só a pressão da popular pode evitar que a reforma da Previdência seja aprovada da forma que está. Reportagem publicada nesta quinta-feira, 27, pela Folha de São Paulo mostra que os partidos aliados de Temer estão de olho nas eleições de 2018, então todos os brasileiros também devem ficar.

Com medo da aprovação da reforma da Previdência influenciar nos resultados das urnas, os aliados do governo defendem que Temer abandone a ideia de votar a reforma da Previdência e que a proposta só seja retomada em 2019, ou seja, no próximo governo. Por isso companheiro pesquise os candidatos e só dê o seu para aquele que realmente vai te representar e lutar por seus direitos.

Além disso, fortaleça a organização dos trabalhadores, participe dos eventos do Sindicato e mande e-mails para os senadores exigindo que não aprovem esta reforma, que só tende a impedir a aposentadoria digna no Brasil.

Jornal Visão Trabalhista EDIÇÃO #01