FIQUE SÓCIO!

Notícias
COMPARTILHAR

Crise no Paraguai gera sessão extraordinária da OEA

Por Auris Sousa | 26 jun 2012

TAGS

Política

A crise política no Paraguai será tema nesta terça-feira, 26, na quarta-feira, 27, e sexta-feira, 29, de reuniões da comunidade internacional. A OEA (Organização dos Estados Americanos) convocou sessão extraordinária hoje para debater o assunto, amanhã será a vez dos chefes de Estado e Governo reunidos na Unasul (União de Nações Sul-Americanas) e, em seguida, os presidentes do Mercosul (Brasil, Argentina e Uruguai) discutirão o tema.

O secretário-geral geral da OEA, José Miguel Insulza, cancelou viagem para o Peru, onde estava prevista sua participação em uma conferência sobre drogas, para se dedicar às discussões a respeito da situação política no Paraguai. É a segunda vez que a organização se manifestará sobre o país. Na véspera da decisão do impeachment, no dia 21, a entidade pediu às autoridades paraguaias para respeitar o direito de defesa do ex-presidente Fernando Lugo e as instituições democráticas.

Em comunicado divulgado ontem (25), a OEA informou que a reunião foi convocada para discutir a situação no Paraguai, mas advertiu: “Se necessário, serão tomadas decisões acordadas pelo Conselho Permanente”. Para negociadores que acompanham o tema, é possível que a OEA siga o exemplo do Mercosul e também decrete a suspensão temporária do Paraguai.

Há três anos, quando Manuel Zelaya, então presidente de Honduras, foi destituído do cargo, a OEA suspendeu o país. A suspensão durou cerca de um ano e a decisão só foi revista depois das eleições para presidente e da confirmação de que a democracia foi respeitada no território hondurenho. Para Insulza, há dúvidas se no Paraguai a Constituição foi respeitada, por isso a convocação dessa reunião.

Na quarta-feira, 27, haverá a reunião da Unasul em Lima, no Peru. Até segunda-feira, 25, o ex-presidente Fernando Lugo disse que ia participar do encontro, segundo ele para pedir a prorrogação do prazo da Presidência do Paraguai como pro tempore no bloco. No entanto, legalmente, Lugo não é mais presidente, portanto o pedido não pode ser encaminhado por ele.

A expectativa, com base na decisão tomada pelo Mercosul no domingo, 24, é que a Unasul também suspenda temporariamente o Paraguai do bloco. A interpretação se baseia no fato de nove países – o Brasil, a Argentina, o Uruguai, Equador, a Bolívia, Venezuela, o Chile, a Colômbia e o Peru – dos 12 da Unasul terem apoiado a suspensão do Paraguai no documento emitido pelo Mercosul.

Na sexta-feira, 29, será realizada a Cúpula do Mercosul, em Mendoza, na Argentina. A presidenta Dilma Rousseff já confirmou presença. Novamente, a crise política no Paraguai será tema. O receio dos paraguaios é que sejam adotadas sanções ao país em decorrência da suspensão provisória. Porém, todas as decisões serão tomadas em conjunto, sinalizaram os negociadores brasileiros, argentinos e uruguaios.

Jornal Visão Trabalhista EDIÇÃO #01 - 2023