FIQUE SÓCIO!

Notícias
COMPARTILHAR

Homenagem: 10 anos sem Ibrahim

Por Auris Sousa | 02 maio 2023

Há 10 anos, o movimento sindical e a classe trabalhadora dava adeus ao companheiro Ibrahim, que presidiu o Sindicato em 1968. Aos 20 anos, ele foi uma das lideranças organizadoras da Greve de 68 que teve início na Cobrasma a qual entrou para a história como a primeira afronta dos trabalhadores à ditadura militar.

Nesta terça-feira, 02, o jornalista André Cintra e Carolina Maria Ruy, coordenadora do Centro de Memória Sindical, fazem um resgate na história de luta e resistência de Ibrahim: 

10 anos sem Ibrahim, o metalúrgico que dedicou a vida aos trabalhadores

Em 1968, com apenas 20 anos, José Ibrahim (1947-2013) liderou um dos mais audaciosos protestos contra a ditadura militar. Foi preso, torturado e perseguido. Desde então, seu nome esteve sempre na linha de frente do movimento sindical brasileiro.

Por André Cintra e Carolina Maria Ruy

Por sua natureza, os movimentos organizados da sociedade – como o sindical, o estudantil e o comunitário – não são espaços privilegiados para consagrações individuais. Quando a associação de pessoas com objetivos comuns leva a conquistas e avanços, o que sobressai é justamente a força da união – o princípio do “herói coletivo”. A despeito disso, certas lideranças chegam a protagonizar batalhas tão singulares, tão marcantes, que acabam por personificar uma determinada luta, um momento histórico, o sentido de seu movimento.

Este foi o caso de José Ibrahim, que morreu há dez anos, em 2 de maio de 2013, depois de se dedicar por quase 50 anos à causa dos trabalhadores e do povo brasileiro. Em 1968, ao liderar uma audaciosa e surpreendente greve contra o regime militar (1964-1985), Ibrahim deixou de ser “apenas” o presidente do Sindicato dos Metalúrgicos de Osasco e se converteu num dos inimigos declarados da ditadura. Com apenas 20 anos, estava no centro da luta política nacional. Mas sua vida pública começara anos antes. “Continuo de esquerda, com minha visão de socialismo democrático”, afirmava em 2011. “Não abro mão dos princípios da luta pela justiça, pela igualdade, pelo direito de todos os brasileiros à cidadania.”

Leia aqui a reportagem completa

Jornal Visão Trabalhista EDIÇÃO #08