FIQUE SÓCIO!

Opinião
COMPARTILHAR

Claudio Magrão

Por Auris Sousa | 11 abr 2013

TAGS

Opinião

Um passado contínuo de luta. 

Está chegando o 1º de Maio, o Dia Internacional do Trabalho.Ainda que nos dias atuais a data seja comemorada com muitos shows e festas, o que também é um direito de todo trabalhador, é preciso ter sempre em mente que esta data também representa um período de reflexão sobre as condições de trabalho e a situação de nosso país.

É uma data que não pode ser a entrega de prêmios e entretenimento, pois surgiu a partir em momentos históricos, em que os trabalhadores quebraram a ordem, desafiaram os poderes, para reivindicar direitos essenciais para uma melhor qualidade de vida, como a redução da jornada de trabalho.

Há 100 anos os trabalhadores não tinham férias, 13º salário, Fundo de Garantia e chegavam a trabalhar 16 horas diárias.

Quando mencionamos fatos do passado, tudo parece tão distante de nossa realidade, mas a verdade é que muitos temas reivindicados pelos companheiros de gerações anteriores ainda estão em pauta. Vide o exemplo da luta pela redução da jornada, agora de 44 para 40 horas semanais, e a constante vigília e combate para que os patrões não tornem precário o trabalho, retirando direitos que foram conquistados com muita luta.

Por isso, é importante que todo trabalhador, neste 1º de maio, se diverta com a família nas festas comemorativas, mas também reflita sobre suas condições de trabalho e tenha consciência de que melhores condições somente serão conquistadas se todos estivermos unidos em torno do Sindicato.

Claudio Magrão, é presidente da Federação
dos Metalúrgicos do Estado de São Paulo.

 

Jornal Visão Trabalhista EDIÇÃO #01 - 2023