FIQUE SÓCIO!

Notícias
COMPARTILHAR

Após greve, Jaraguá assume compromisso de efetuar pagamento

Por Auris Sousa | 28 maio 2014

A organização dos metalúrgicos da Jaraguá, em Itapevi, rende frutos. Isto porque a empresa regularizou o pagamento do adiantamento salarial e ontem, em audiência de conciliação no TRT (Tribunal Regional do Trabalho), 2ª região, assinou o compromisso de efetuar as verbas rescisórias dos 82 trabalhadores dispensados. Nesta quarta-feira, 28, durante assembleia, o Sindicato passou o resultado da audiência para os trabalhadores.

Os companheiros cruzaram os braços por uma semana. Para o diretor do Sindicato Antonio Pina, a pressão dos metalúrgicos foi decisiva para o acordo fechado em audiência. “A empresa terá que assumir seu compromisso, caso contrário terá que se entender com a Justiça”, reforçou.

Cerca de 65 trabalhadores foram até o TRT. Com placas nas mãos, os companheiros exigiram respeito por seus direitos. Durante a audiência, a empresa também se comprometeu a não descontar os dias parados e regularizar o depósito do FGTS. Além disso, informou que encerrará as atividades da unidade de Itapevi em junho. A Jaraguá alega problemas financeiros. “Estamos num barco afundando. Agora, receber os nossos direitos é o mais importante. ”, ressaltou João Ferreira, que trabalha na Jaraguá há quatro anos.

Para o trabalhador Claudeci Gomes, que trabalha há três anos na empresa, “o acordo é uma segurança. Se a empresa não bancar o que deve terá danos, poderá até ter seus bens bloqueados pela Justiça”.

Há 18 anos produzindo para Jaraguá, Jorge Luiz Silveira teme que a empresa não cumpra com suas obrigações. “A preocupação é que ela [a empresa] não cumpra o acordo. Até lá, o pessoal tem de ficar unido. Se for preciso, passaremos dia e noite aqui para concretizar a luta”, contou.

Para ele, o “apoio do Sindicato foi fundamental, sem ele estaríamos produzindo de graça. Hoje todo mundo percebeu a importância de estar unido ao Sindicato”, avaliou.

A proposta já aprovada pelos trabalhadores necessita de anuência do  Ministério Público do Trabalho. Caso não haja, a questão será julgada pelo TRT. [Texto atualizado em 02/06/2014 às 18h11]

Jornal Visão Trabalhista EDIÇÃO #10