FIQUE SÓCIO!

Notícias
COMPARTILHAR

Metalúrgicos da H-Buster se mobilizam em defesa de seus empregos

Por Auris Sousa | 03 abr 2013

Cerca de 900 metalúrgicos da H-Buster, entre eles mulheres grávidas, seguem para Câmara Municipal de Cotia para manifestar em defesa de seus empregos. Os trabalhadores resolveram fazer a ação depois de uma assembleia realizada nesta quarta-feira, 3, em frente a empresa, localizada em Cotia, em resposta a notícia de que a H-Buster entrou em recuperação judicial. Diretores do Sindicato dos Metalúrgicos de Osasco e Região participam do ato.

De acordo com informações preliminares, passadas para o Sindicato, o pedido de recuperação pode provocar a impossibilidade do pagamento de salário dos trabalhadores, programado para a próxima sexta-feira, 5. Fato que irá prejudicar os metalúrgicos, como também a economia local. Diante disso, os metalúrgicos decidiram entrar em estado de greve até sexta.

Para o diretor o Sindicato João Batista a situação é “um revés na produção da empresa, afeta as famílias e a economia da cidade, por isso vamos lutar juntos. Se até o dia 5 não houver pagamento, a partir de segunda-feira, 8, estaremos em greve”.

Durante a assembleia, o diretor do Sindicato Alex da Força propôs uma jornada de lutas para que os postos de trabalho da empresa sejam mantidos. “Cerca de 80% dos trabalhadores da H-Buster moram em Cotia. Só os salários dos trabalhadores injetam cerca de R$ 1,500 milhão na região. Queremos nossos empregos e o sustento de nossos familiares”, ressaltou Alex.

Mobilização – Depois da Câmara, os trabalhadores junto com a diretoria do Sindicato pretendem seguir em caminhada até a Prefeitura de Cotia para entregar ao prefeito da cidade, Carlão Camargo, um oficio com pedido de apoio ao movimento. Antes o grupo passará pelo Fórum da cidade.

O objetivo dos trabalhadores é assegurar os seus empregos e garantir a permanência da empresa na cidade, a qual se destaca como uma das metalúrgicas da região que mais contrata mulheres e que adotou a licença maternidade de seis meses.

Jornal Visão Trabalhista EDIÇÃO #01 - 2023