FIQUE SÓCIO!

Notícias
COMPARTILHAR

Ciclo mostra impactos e doenças no trabalho com a nanotecnologia

Por Auris Sousa | 13 jul 2017

Os impactos a saúde e nas relações do trabalho com crescente uso da nanotecnologia, foi um dos temas abordados na quarta-feira, 12, durante o segundo encontro do 38º Ciclo de Debates, na Subsede de Barueri. Arline Arcuri, pesquisadora da Fundacentro, destacou que os riscos ainda desconhecidos dessa nova tecnologia, principalmente a saúde, intriga os pesquisadores.

“Existe pouco conhecimento dos impactos à saúde, frente a quantidade de materiais [com nanotecnologia] que já existem”, explicou Arline, que informou que estes estudos são feitos pela nanotoxicologia e que os impactos a saúde podem ter relação com doenças cardiorrespiratórias.

Para um companheiro da Rossini, o desconhecimento gera medo. “A gente nunca pensa nisso, compramos aparelhos que usam esta tecnologia e nem nos damos conta do mal que ele pode trazer para os usuários e trabalhadores. Por isso acho importante o Sindicato tocar neste assunto”, avaliou.

Diante da pouca informação ainda sobre seus possíveis efeitos, a pesquisadora observou que os trabalhadores que atuam diretamente com a nanotecnologia devem ficar atentos com a possibilidade de explosão. “Quanto menor a partícula, maior a sua área de superfície, e, portanto, maior deve ser a sua facilidade de explosão”, alertou ela, que também chamou atenção para a vigilância no ambiente de trabalho.

“Além da tensão constante devido a fiscalização pessoal, certas empresas estimulam inclusive que cada trabalhador fiscalize seus colegas. Esta ação tem impacto direto nas relações interpessoais e contribui com o crescente aumento de doenças mentais no trabalho”, detalhou Arline.

Se os impactos que esta nova tecnologia pode provocar a saúde dos trabalhadores ainda geram dúvidas, seus reflexos no mercado de trabalho já são claros. “A indústria tende a diminuir. Diversos postos de trabalho vão desaparecer. Haverá impactos sociais, organizacionais e na gestão de Segurança e Saúde do Trabalho”, enumerou.

Problemas que só tendem a se agravar com a reforma trabalhista, aprovada na terça-feira, 11, pelo Senado. O assunto também foi tema do Ciclo desta quarta.

Leia também: 

Ciclo em Barueri: Jovens são principais vítimas dos acidentes de trabalho

Ciclo em Osasco: A cada 20 dias, um acidente grave fere ou mata um metalúrgico na base do Sindicato

Ciclo em Osasco: Vítimas do amianto terão tratamento especializado no Incor

No OI: Futuro dano vai estar na mente do trabalhador, diz cientista

Jornal Visão Trabalhista EDIÇÃO #03