FIQUE SÓCIO!

Notícias
COMPARTILHAR

Aposentados relatam que benefício desvaloriza a cada ano

Por Auris Sousa | 13 ago 2013

Batista, Herculano e Conegundes levam um susto cada vez que os valores da aposentadoria são reajustados

Viajar, descansar e viver sossegado eram os planos de Conegundes Ferreira dos Santos para a aposentadoria. No entanto, a sua realidade é bem diferente. Aposentado desde 1996, ele que trabalhava no ramo da construção civil se viu obrigado a retornar ao mercado de trabalho.

“Quando me aposentei recebia três salários mínimos, agora recebo apenas dois”, contou. Para aumentar a renda, Conegundes voltou a trabalhar. “Tive que fazer um bico, mas sofri um acidente, quase morri, e agora recebo uma força de meus filhos”, explicou.

A história de vida do companheiro se repete entre a população. Ilza Rodrigues da Silva está aposentada há três anos. Há 35 ficou viúva e, desde então, recebe pensão. O que ela não imaginava é que suas duas rendas iriam desvalorizar a cada ano. “No início, recebia quatro salários mínimos de pensão. Hoje recebo apenas um”.

Ela explica que com o passar dos anos, além dos gastos diários, passou a ter despesas com remédios. “Já estou procurando um emprego”, afirmou Ilza.

Injustiçado, mas sem intenção de voltar a trabalhar. É como José Herculano se sente. Aposentado desde 1993, ele conta que o valor do seu benefício já caiu pela metade, em comparação ao primeiro valor recebido. Mesmo assim, ele confessa que não precisa voltar a trabalhar.  O segredo é que Herculano soube investir o seu dinheiro, antes da aposentadoria. “Vivo de aluguel. Ao longo da minha vida construí casas e agora vivo disso”, abriu o jogo.

Investimento que João Batista não teve oportunidade de fazer. Aposentado há 28 anos ele disse que não tem nem palavras para descrever o que sente em relação a desvalorização da sua aposentadoria. “Caiu mais de 50%. Recebia R$ 3.200 e agora não recebo nem R$ 1.500”, ressaltou indignado. Para sobreviver batista afirma que o dinheiro é pouco, mas “vou empurrando [a situação] com a barriga”.

Jornal Visão Trabalhista EDIÇÃO #03