FIQUE SÓCIO!

Notícias
COMPARTILHAR

Pressão contra a reforma da Previdência vai engrossar na quinta

Por Auris Sousa | 10 fev 2017

A pressão contra a reforma da Previdência vai engrossar na próxima quinta-feira, 16. Dessa vez o mutirão de assembleias acontecerá nas fábricas de Osasco a partir das 6h. A previsão é que o relator da proposta, o deputado Arthur Oliveira Maia (PPS-BA), apresente o seu relatório em março.

De acordo com a Agência Câmara, Maia vai propor seu plano de trabalho na próxima terça-feira, 14, mas adiantou que planeja fazer oito audiências públicas e um seminário internacional para conhecer os sistemas de outros países.

A indicação do relator foi contestada pelo deputado Ivan Valente (PSOL-SP), que protocolou uma reclamação, citando artigos do Regimento Interno que, na sua opinião, impediriam que o deputado Arthur Oliveira Maia ocupasse o posto. Isto porque o deputado recebeu recursos de bancos e seguradoras em sua campanha eleitoral e, de acordo com Valente, estas empresas seriam diretamente interessadas na reforma da Previdência.

Comissão na Câmara – A Câmara dos Deputados instalou na quinta-feira, 9, a comissão especial que vai discutir a reforma da Previdência, proposta pelo governo de Michel Temer. Para presidir os trabalhos, foi eleito o deputado Carlos Marun (PMDB-MS).

Isso significa que os trabalhos na Câmara vão começar. Então já chegou o momento de você mostrar para os deputados que é contra esta reforma que prejudica todos os trabalhadores – homens, mulheres, jovens e idosos. Basta mandar um e-mail para eles, mostrando sua indignação. Acesse a lista aqui.

A proposta tem sido encarada pelo movimento sindical como um dos maiores ataques a Previdência desde a Constituição (1988). Por isso que o Sindicato tem organizado os metalúrgicos de Osasco e região por meio do mutirão de assembleias, que já passou pelas fábricas de Cotia, Vargem Grande Paulista, Jandira, Itapevi, Carapicuíba, Barueri, Alphaville, Santana de Parnaíba e Pirapora do Bom Jesus.  

Entre outros pontos, o governo propõe:

Idade mínima de 65 anos para (homens e mulheres) se aposentar;

Aposentadoria integral após 49 anos de contribuição;

Prazo mínimo de contribuição para o INSS de 25 anos.

Clique aqui e conheça outros pontos da reforma. Aqui você pode descobrir o tamanho do prejuízo que terá se a proposta passar no Congresso.

[Com informações da Agência Câmara] 

Leia também

Metalúrgicos se indignam com proposta de Temer para Previdência
Para metalúrgicos, derrubar a reforma da Previdência é prioridade
Reforma prevê igualdade num mercado de trabalho desigual
Assista ao VT Entrevista sobre a reforma da Previdência 
Cresce pressão de metalúrgicos contra a reforma da Previdência

Jornal Visão Trabalhista EDIÇÃO #03