FIQUE SÓCIO!

Notícias
COMPARTILHAR

Lula sanciona isenção no IR até dois mínimos, promete despenalizar classe média e fazer rico pagar mais

Por Rede Brasil Atual | 02 maio 2024

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva participou nesta quarta-feira, 1º de Maio, no estádio do Corinthians, na zona leste da capital paulista, do ato unificado das centrais sindicais pelas celebrações do Dia do Trabalho.

No evento, o presidente sancionou o Projeto de Lei (81/2024) que altera os valores da tabela progressiva mensal do Imposto de Renda. A faixa de isenção foi estendida para quem ganha até dois salários mínimos (R$2.824). “No nosso país não haverá desoneração para favorecer os mais ricos, e sim para os que trabalham”, anunciou o presidente.

Lula sanciona reajuste da tabela do IR

“Nessa proposta do Imposto de Renda, todo alimento da cesta básica será desonerado. Não terá Imposto de Renda sobre a comida do povo trabalhador desse país.”, ressaltou o presidente. Lembrou ainda da proposta para desonerar o Imposto de Renda até R$5 mil. “Vamos despenalizar as pessoas de classe média que pagam muito e fazer com que o muito rico pague mais, porque só o pobre paga”.

Aprendendo a conversar

Lula afirmou que ministros e parlamentares “aprenderam a conversar” e minimizou os atritos recentes com o Congresso. Destacou que o governo conseguiu aprovar os principais projetos que apresentou como a Reforma Tributária.

“Se vocês acompanharem a imprensa todo dia, dá a impressão que tem uma guerra entre o governo e o Congresso Nacional. Vocês sabem que a minha bancada, a chamada bancada progressista que me elegeu nas eleições, a gente não chega a 140 deputados de 513. Eu quero fazer um reconhecimento. É que nós fizemos alianças políticas para governar e até hoje, prestem atenção, todos os projetos que nós mandamos para o Congresso foram aprovados de acordo com os interesses que o governo queria. E isso por competência dos ministros, por competência dos deputados que aprenderam a conversar ao invés de se odiarem”, disse.

Palanque em São Paulo

Ao lado do presidente estavam o vice-presidente Geraldo Alckmin, o ministro do Trabalho e Emprego, Luiz Marinho, e o ministro dos Direitos Humanos e da Cidadania, Silvio Almeida, Anielle Franco, ministra da Igualdade Racial, e Cida Gonçalves, ministra das Mulheres. No mesmo palanque, Lula destacou a presença do deputado federal Guilherme Boulos (PSOL).

Lula afirmou que o líder do MTST está disputando “uma verdadeira guerra aqui em São Paulo”. “Está disputando contra nosso adversário nacional, contra nosso adversário estadual e contra nosso adversário municipal. Está enfrentando três adversários”.

Por um Brasil mais justo

Ato do Dia do Trabalhador (a) aconteceu na Arena Neo Quimica do Corinthians

Com o slogan “Por um Brasil mais justo”, líderes sindicalistas se revezaram no palanque do evento com as atrações musicais ao longo do dia e defenderam bandeiras de emprego decente, correção da tabela do Imposto de Renda, juros mais baixos, aposentadoria digna, valorização do serviço público e salário igual para trabalho igual. Manifestantes também pedem a revogação da reforma trabalhista e da previdência. Pelo sexto ano consecutivo, as centrais CUT, Força Sindical, UGT, CTB, NCST, CSB Intersindical Central da Classe Trabalhadora e Pública fazem, de forma unificada, o ato político do 1º de Maio.

Festival Cultura e Direitos

O ato do Dia do Trabalhador continua com o Festival Cultura e Direitos com apresentações artísticas e musicais de cantores como Paula Lima, Quesito Melodia, Afonsinho BV, Pagode dos Meninos, Trio da Lua- Na trilha do Xaxado, Taty Dantas, Dexter, Roger Deff, Bateria Show da Gaviões da Fiel, Afro-X, Arnaldo Tiffu, Almirzinho, Arlindinho, Ivo Meirelles e Doce Encontro.

Leia também: 

Companheiros e companheiras da WSI aprovam PLR

Jornal Visão Trabalhista EDIÇÃO #09